quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

A UNIÃO FAZ a FORÇA !

"A Força não vem da capacidade física, ela vem de uma vontade inabalável."
Mahatma Gandhi

 
Tomei hoje conhecimento desta petição.
Deixo a informação a quem interessar.
De nada vale reclamarmos do sistema se não nos mobilizamos!

Petição Para Uma Nova Economia - Uma Tomada de Posição Pública



"Para uma nova economia
Uma tomada de posição pública

Apresentamos esta tomada de posição pública no momento em que acaba de ser aprovada a política orçamental para 2011. Como todos reconhecem, as medidas adoptadas têm carácter recessivo. Mesmo que no curto prazo, permitissem conter a especulação financeira sobre a dívida externa e as necessidades de financiamento do Estado e da economia portuguesa, tal política, só por si, não abriria caminho ao indispensável processo de mudanças estruturais de que o País carece para alcançar um desenvolvimento humano e sustentável a prazo. Importa responder no curto prazo visando e construindo o longo prazo.
Reconhecemos que é necessária e urgente uma mudança profunda no paradigma da economia nacional, mas também europeia e mundial. Estamos todos envolvidos na busca de soluções. Os economistas em particular têm a responsabilidade de contribuir para encontrar respostas para os desafios da transição que marcam o mundo contemporâneo e, de modo particular, o nosso País.
A crise tem carácter sistémico e dimensão global, com contornos específicos na Zona Euro, traduzindo-se em maior pobreza, desemprego, crescentes desigualdades de riqueza e rendimento, baixa propensão ao investimento e fraco dinamismo da produção.

Raízes da crise

Presentemente, estão identificadas as raízes dos problemas: a globalização desregulada fruto da imposição de uma ideologia neoliberal que exalta o mercado e subestima o papel do Estado na economia; o predomínio dos interesses financeiros sobre toda a economia; a especulação financeira que sobrevaloriza objectivos de lucro no curto prazo; o desrespeito por elementares princípios éticos; a desconsideração de objectivos de coesão social e sustentabilidade ambiental; o enfraquecimento do papel dos Estados nacionais sem que se tenham criado mecanismos políticos supranacionais à altura.
A teoria económica permite fundamentar a denúncia de alguns dos falsos pressupostos subjacentes às opções de política económica que originaram a crise. Existe um pensamento económico alternativo que não pode mais continuar bloqueado e passar despercebido dos meios de comunicação social e na opinião pública. Há que abrir espaço a correntes teóricas com propostas diferentes, que precisam de ser debatidas.
Este debate ajudará a descobrir políticas que compatibilizem medidas de curto prazo com estratégias de desenvolvimento a prazo; que promovam o emprego e a valorização do trabalho humano, abdicando de desregulamentações contraproducentes do mercado de trabalho destinadas a transferir custos para os trabalhadores; que levem a economia a produzir bens e serviços que satisfaçam as reais necessidades humanas que reindustrializem garantindo a sustentabilidade ambiental; que combinem eficiência com igualdade substantiva, promovendo a participação motivada de todos; que aproveitem as
potencialidades dos mercados e ao mesmo tempo limitem a sua expansão para o campo dos bens e serviços públicos; que assegurem a ética dos negócios; que coloquem o sistema financeiro ao serviço da economia de todos...."
 
 Ler mais em:






7 comentários:

Fernando Lopes disse...

Ana,

Vou ler com todo o cuidado e assinar.

Abraço,

Fenix disse...

Fernando

Traga mais cinco...

;)

Abraço

Observador disse...

Fenix

Pensei que o blogue tinha acabado.

Vou assinar a petição.

Obrigado

Fenix disse...

Observador,

Eu gosto muito de viajar pela blogosfera, e estou pouco aqui "em casa". ;))

Grata pela visita.

Catarina disse...

Ghandi um figura indiscutivelmente nobre e histórica.
Passei por aqui também para a cumprimentar. Abraço. : )

Fenix disse...

Catarina

Abraço e grata pela visita.
Eu passo no seu espaço todos os dias, só que não tenho comentado.
Peço desculpa por entrar e sair sem "me anunciar".

:)

Catarina disse...

Ah! Sua marota! Deixe apenas um “olá” que me fará feliz! Abraço. : )