quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Palavras para quê...





Só podemos concluir que os cortes nos apoios sociais, foram suficientes para equilibrar as contas públicas, daí que já não necessitem de mais verbas!

É comovente vê-los tão de acordo....!!

Poupemos as despesas eleitorais.

Para quê mudar?!!  Afinal as sondagens são tão claras....


quinta-feira, 18 de novembro de 2010

"O Que Faz Falta é Dar Poder à Malta..."


Nas minhas deambulações blogosféricas, encontro muita gente que se manifesta contra o estado de coisas no nosso País.

Há os que sendo de cor partidária diferente da do governo, apontam os erros (raramente soluções), especialmente se os da sua cor partidária já foram governação...

Há os que sendo de cores de partidos que ainda não tiveram responsabilidades governativas, estão convictos que "os seus" fariam mais e melhor...

E há os que não tendo qualquer cor partidária, se encontram num "estado puro" de simples cidadão/contribuinte (nos quais eu me incluo), e que suspeitando que o Poder seja corruptor, apostam mais numa intervenção cívica como exercício democrático.

Posto isto, e tendo em conta que 36 anos de "infância democrática" é tempo demasiado para que nos levem a sério, há que de uma vez por todas assumirmos se queremos ser tratados como crianças ou ainda pior, como débeis mentais!

Pela parte que me toca, digo: BASTA!

A quem passar por aqui, dirijo o convite para visitarem o Blog :

http://cidadaniaproactiva.blogspot.com/

lerem a petição :

PETIÇÃO por uma ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS CONTRIBUINTES FISCAIS, in http://www.peticaopublica.com/PeticaoVer.aspx?pi=ancf

fazerem um exame de consciência, e mediante o resultado, assinarem 

ou não...

Mas lembrem-se, é IMORAL criticar e responsabilizar os outros, demitindo-se das suas próprias responsabilidades!


terça-feira, 17 de agosto de 2010

Para Reflectir... ( III)


"PRECISA DE AJUDA...?

Quantas vezes durante a nossa vida teremos formulado esta pergunta, a um desconhecido?
E quantas vezes, teremos sido igualmente interpelados, desta forma,  por desconhecidos?
Aposto que não muitas, para não dizer muito poucas...
E no entanto, não será por falta de oportunidade, pois se estivermos interessados e atentos ao que nos rodeia, não nos faltarão ocasiões para perguntar e também para responder a quem se interessar, (desinteressadamente), pelos problemas alheios!
Pois há poucas horas atrás, fui agradavelmente surpreendida com esta pergunta, por um par de jovens namorados, que não teriam ainda 20 anos.
Cerca das 21h, eu e a minha filha adolescente tínhamos acabado de nos apear do autocarro, depois de um fim de semana fora, quando nos demos conta de que o nosso saco de viagem tinha ficado no referido autocarro.
Estávamos um pouco desorientadas pois este tinha acabado de partir a grande velocidade, tendo contudo ainda que "passar" um semáforo uns 500 metros adiante, que se encontrava vermelho.
Foi quando ouvimos a pergunta: "Precisam de ajuda?"- feita pelos dois jovens.
Olhei para eles agradecida pelo interesse demonstrado, sabendo que por muito boa vontade que tivessem não nos podiam ajudar.  Informei no entanto, que tinha deixado o saco no interior do autocarro e apontei para as luzes do veículo, parado lá longe a aguardar que o semáforo abrisse...
A rapariga olhou para o rapaz e disse: "Achas que consegues?"
Olhei para eles sem entender muito bem, e por momentos pensei que havia um mal-entendido ou então estariam a "gozar" com a minha cara...
O rapaz respondeu: "Acho que consigo!" - e dito isto, partiu como uma flecha a correr na direcção do autocarro. 
Olhei incrédula, para a rapariga e disse: "Que horror! Ele não vai conseguir!" - e ela com um ar confiante: "Consegue. Ele é atleta e faz escalada. Já escalou o Monte Branco. O pai dele também é assim!"
Fiquei a vê-lo correr e desaparecer. E vi o autocarro lá longe continuar o seu percurso, cruzando a Circunvalação para desaparecer numa rua à esquerda onde a uns 300 m, teria uma paragem.
Perante o ar confiante da rapariga, fiquei a aguardar "torcendo" para que ele tivesse sorte, apesar de me parecer uma coisa surreal...
Disse-lhe que tinha ficado muito surpreendida pelo gesto deles, tendo em conta o egoísmo e desinteresse que nos cerca no mundo actual. Ela, respondeu que eles se interessam e tentam ajudar, principalmente depois de ela própria ter sido vítima de um assalto e ter ficado prostrada no chão, sem que tivesse tido alguém que tivesse parado para ajudar! E que ainda há bem pouco tempo tinham ajudado um casal de velhinhos invisuais que se encontravam em dificuldades, naquele mesmo sítio (em frente ao Hospital de São João, no Porto)...
Decorreram uns longos minutos, quando da semi-escuridão e do lado oposto da via, ela distinguiu a figura dele. Trazia um andar exausto, e na mão... o meu saco de viagem!
Agradeci-lhes profundamente e disse-lhes para nunca se arrependerem de actos como aquele!
Ela alegremente respondeu: "Não! Nós somos assim!"

Eram um casal muito jovem.  Muito bonitos, por fora e por dentro!



sábado, 31 de julho de 2010

"O Que Faz Falta, é Animar a Malta..."



“A Ministra da Educação quer acabar com os chumbos....”  e   “Lisboa, 31 jul (Lusa) -- A Confederação Nacional das Associações de Pais (Confap) considerou hoje que o fim dos chumbos em Portugal será a maior revolução na educação desde o 25 de abril, dando o seu apoio à ideia da ministra da tutela. "Isto é a maior reforma que pode ser anunciada em educação no nosso país, porque implica um outro conceito de escola. Uma escola que dá condições de trabalho aos professores e aos alunos para que as retenções sejam eliminadas. Sem muito trabalho não é possível chegar lá", comentou à agência Lusa o presidente da Confap, Albino Almeida. “
   
Mas afinal qual é a reforma que está implícita, nesta proposta?

Há que explanar primeiro, como se vai chegar lá!

 
Quando se diz que se vai acabar com os chumbos, passa-se uma informação de que a partir de agora quer se saiba ou não as matérias do programa, o aluno não vai ficar retido, correndo-se o risco de o normal cidadão, (incluindo os alunos),  interiorizarem que estes, vão poder dedicar-se mais tempo ao lazer, porque já não há necessidade de se esforçarem a estudar, pois o que realmente importa é que vão chegar ao final do seu curso, sem se "chatearem" muito!

Se realmente se trata de uma REFORMA, que consiste em dar um maior acompanhamento a todos os alunos, de tal forma que, tanto os alunos que têm falta de motivação e interesse pelos programas, como aqueles que têm menor capacidade de aprendizagem,  conseguem aprender as matérias e adquirem "realmente" os conhecimentos  pretendidos,  para que NÃO HAJA CHUMBOS, ou na pior das hipóteses os chumbos DIMINUAM, (simplesmente porque está a ser feito um trabalho apostado em  os EVITAR), convém  anunciar o objectivo, mas... acompanhado do respectivo meio para se atingir esse fim.


E será que não terá que ser esse o objectivo principal da Escola desde sempre?

Claro que a Ministra deve trabalhar nesse sentido, dar efectivamente  "...condições de trabalho aos professores e aos alunos para que as retenções sejam eliminadas...", mas isto não é a "descoberta da pólvora"! Isto deveria ser o primado do ensino em todos os tempos!


Mas como é que o pretende fazer, se todos os dias há notícias sobre o descontentamento dos professores, quer seja por motivos de organização das escolas, quer dos relatórios que lhes são exigidos, (que os torna mais escriturários que Professores),  quer pelo número excessivo de alunos por turma?

Eu falo na condição de mãe de uma adolescente, que sendo boa aluna, e que por motivos de mudança de residência, esteve durante o passado ano lectivo (6º ano) inserida numa turma, em que estavam concentrados alunos completamente desinteressados, repetentes e sem vontade de progredir, e em que os professores passavam o maior tempo das aulas a tentar impor silêncio e respeito, do que propriamente a dar as matérias.

Por isso gostaria que a senhora Ministra, se deixasse de dar notícias bombásticas para a opinião pública e fizesse o seu trabalho de gabinete, criando "as tais condições de trabalho" que tanto necessita a Escola de hoje, para que não haja retenções.

Se assim o fizer, daqui a uns anos serão os próprios comentadores e analistas a afirmarem: " Em Portugal as retenções no ensino foram eliminadas, porque finalmente foram criadas todas as condições de trabalho para alunos e professores".

E isso é que será importante, a análise  "a posteriori"! Pois, como diz o Povo: "De boas intenções está o Inferno cheio"!


quinta-feira, 10 de junho de 2010

Hoje como Ontem...

 
"Vi-te a trabalhar o dia inteiro
construir as cidades pr'ós outros
carregar pedras, desperdiçar
muita força pra pouco dinheiro
Vi-te a trabalhar o dia inteiro
Muita força pra pouco dinheiro

Que força é essa [bis]
que trazes nos braços
que só te serve para obedecer
que só te manda obedecer
Que força é essa, amigo [bis]
que te põe de bem com outros
e de mal contigo
Que força é essa, amigo [bis 3]

Não me digas que não me compr'endes
quando os dias se tornam azedos
não me digas que nunca sentiste
uma força a crescer-te nos dedos
e uma raiva a nascer-te nos dentes
Não me digas que não me compr'endes

(Que força...)

(Vi-te a trabalhar...)

Que força é essa [bis]
que trazes nos braços
que só te serve para obedecer
que só te manda obedecer
Que força é essa, amigo [bis]
que te põe de bem com outros
e de mal contigo
Que força é essa, amigo [bis 10]"


"Que Força é Essa "
Sérgio Godinho

domingo, 30 de maio de 2010

Para Reflectir... ( II )


"As duas propostas"

"Pensar, sentir e atuar na mesma direção, e tratar a outros como desejamos ser tratados, são duas propostas tão simples que podem ser entendidas como simples ingenuidades por gente habituada às complicações.

No entanto, por trás dessa aparente candura há uma nova escala de valores, em cujo ponto mais alto se põe a coerência; uma nova moral para a que não é indiferente qualquer tipo de ação; uma nova aspiração que implica sermos consequentes no esforço para dar direção aos eventos humanos. 

Por trás dessa aparente candura se aposta pelo sentido da vida pessoal e social que será verdadeiramente evolutivo ou marchará à desintegração. Não podemos já confiar em que velhos valores dêem coesão às pessoas em um tecido social que dia a dia se deteriora pela desconfiança, o isolamento e o individualismo crescentes. 

A antiga solidariedade entre os membros de classes, associações, instituições e grupos vai sendo substituída pela concorrência selvagem à qual não escapa o casal nem a irmandade familiar. Neste processo de demolição não se elevará uma nova solidariedade sobre a base de idéias e comportamentos de um mundo que se foi, mas graças à necessidade concreta de cada um de direcionar sua vida, para o qual terá que modificar seu próprio meio. 

Essa modificação, se for verdadeira e profunda, não pode ser posta em marcha por imposições, por leis externas ou por fanatismos de qualquer tipo, mas pelo poder da opinião e da ação mínima conjunta entre as pessoas que fazem parte do meio em que cada um vive."

Excerto de "A MUDANÇA E A CRISE"
"(Com base na Carta III, do Livro “Cartas a Meus Amigos”) de SILO"

 Porquê estas minhas transcrições??

Porque acredito piamente que melhor do que CRITICAR é preciso CONSTRUIR de dentro para fora...

Se cada um de nós, tiver o hábito de ao fim de um dia REFLECTIR sobre as suas acções desse dia, e de forma crítica e construtiva representar mentalmente  o que poderia melhorar nessas acções, de uma forma coerente, tendo em conta as premissas: -


"Pensar, sentir e actuar na mesma direcção", e "Tratar a outros como desejamos ser tratados"

- tenho a certeza que esta forma de estar na vida pode contribuir a seu tempo, para o surgimento de um mundo melhor, para o surgimento de uma Nova Ordem Mundial, sem opressores nem oprimidos, porque finalmente estaremos no mesmo plano do HUMANO...


Utópico?!  - Talvez!
Moroso?! - Sem dúvida.


Mas será que quem me lê pode afirmar, que a actual situação do país e do mundo é aquela que desejou, e ajudou a construir?!


Talvez a tenha ajudado a construir, sim, por acção ou omissão, mas seguramente que não a desejou!


No entanto, aceito sugestões de MUDANÇA ( a começar em nós próprios, claro).

domingo, 2 de maio de 2010

Viver o "Dia da Mãe" ...

"Teus filhos não são teus filhos
são filhos e filhas da vida
anelando por si própria
Vêm através de ti, não de ti,
e, embora estejam contigo,
a ti não pertencem
Podes dar-lhes teu amor,
mas não teus pensamentos, pois que
eles têm seus pensamentos próprios
Podes abrigar seus corpos,
mas não suas almas, pois que
suas almas residem na casa do amanhã,
que não podes visitar
sequer em sonhos
Podes esforçar-te por te parecer com eles,
mas não procures fazê-los
semelhantes a ti,
pois a vida não recua,
e não se retarda no ontem
Tu és o arco do qual teus filhos
como flechas vivas,
são disparadas
Que a tua inclinação, na mão do arqueiro,
seja para a ALEGRIA"

"Kahlil Gibran"

Tomei contacto com este poema pelos meus 13 ou 14 anos, e fiquei profundamente tocada por ele, pois já nesse tempo era assim que eu concebia a vida - em Amor mas sem Posse... e ainda hoje assim a concebo: O AMOR é LIBERTAR do jugo da posse, e isto aplica-se aos filhos e a todas as relações de Amor!

domingo, 25 de abril de 2010

"Comemorar" "O 25 de Abril" ou....


Infelizmente hoje "comemora-se"  o já distante 25 de Abril de 1974!

Sim, infelizmente, porque a palavra comemorar, por si só, é já elucidativa!

Comemorar, é recordar algo que aconteceu no passado, ou seja, lembra-se um dia...

Para mim não se deve comemorar este dia, deve praticar-se a Democracia todos os dias, ano após ano, e assim sendo,  não haverá motivo para "recordar" algo que ficou lá atrás no passado...pois ele fará parte do nosso quotidiano!

É preciso e URGENTE, começar a educar as crianças e os jovens, na Cidadania, na Liberdade e na Democracia Participativa, para que sejam eles num futuro próximo, os fazedores de uma Nova Ordem Social!

Pois esta, está decrépita e cheira a podre...!!



segunda-feira, 8 de março de 2010

Mulher ....em 8 de Março!


Celebrar o Dia Internacional da Mulher no século XXI!
Dia triste para as mulheres!
Se existe este dia é porque ainda falta muito caminho a percorrer até atingirmos o estatuto do homem na sociedade, e é necessário "lembrar" que existimos e exigimos ter os mesmos direitos...
Mesmo quando, se pretende comemorar neste dia as conquistas sociais, políticas e económicas das mulheres no século passado, afinal quem é que lhes concedeu / reconheceu esses direitos?
É como se o escravo celebrasse o dia em que teve a sua carta de alforria... mas o mérito será sempre do seu "senhor" que lha concedeu.
Veja-se as quotas das mulheres na política. Eu acho isso humilhante! Se estivessem todos em pé de igualdade no acesso, não seriam necessárias quotas, pois as mulheres estariam colocadas (ou não) por todas as razões, mas nunca para terem que cumprir as tais "quotas", pois parece ser uma  condescendência masculina, o que só  diminui a mulher.
Falo no sem sentido actual desta celebração, no mundo que se diz "civilizado" onde é suposto estarmos todos no mesmo patamar.
Quanto ao mundo "não civilizado", já não se trata de se ser mulher ou homem pois aí são os direitos fundamentais dos seres humanos, sejam eles mulheres, homens ou crianças que estão em causa, e então terá que ser instituído o "Dia Internacional do Ser Humano"!

sexta-feira, 5 de março de 2010

"Assédio"...Por Objectivos?


Não consigo entender porque é que  nas  últimas três semanas fui contactada  telefonicamente, 6 vezes pela PT.
Foram diversas pessoas a fazer o contacto, mas as perguntas eram sempre as mesmas:
- se o meu telefone fixo ainda pertencia à PT? se tinha internet? se tinha TV por cabo ou ADSL? quando respondia que era  MEO, perguntavam-me se era fibra? (apesar de até eu saber que a  fibra óptica ainda não  chegou à minha zona)...
A 1ª vez respondi  a todas as questões, apesar de estranhar que a PT não possua um ficheiro de clientes, onde conste todos estes dados!
À 2ª respondi que já tinha falado com o colega há 2 dias a responder a essas questões: "Ah  pois, mas  se não me importava de responder novamente!"
À 3ª chateei-me, e perguntei se eles não tinham registado os dados recolhidos anteriormente e se não partilhavam os dados? Risos do outro lado(!)... A operadora dizia que se calhar contactavam-me muitas vezes, porque a PT gostava de mim...Mas insistindo nas perguntas!
Deixei de me chatear!
Fui contactada hoje pela 6ª vez...
Respondi (ao mesmo questionário) num tom monocórdico e enfadado!
Porque não reclamei do exagero e da falta de organização interna, ou seja lá o que for?
Porque começo a sentir compaixão pelos "pobres" trabalhadores!
Porque: ou estão sujeitos a recibos verdes, ou  a contratos temporários, e de uma forma ou de outra, têm salários base de miséria , que serão depois completados com comissões sobre objectivos atingidos. Daí a minha condescendência para com eles.
O que eu não entendo, é como é que uma empresa tão moderna como a PT, desbarate meios humanos e técnicos num "trabalho" que é no mínimo estéril, já que pelos vistos não se armazenam os dados adquiridos, sendo que as pessoas que o fazem são sempre diferentes. Qual é o objectivo deste trabalho? Não consigo ver!
Bem, pelo menos cumpre com uma função social: retira estas pessoas do desemprego. Pois não havia uma teoria económica que visava " empregar fortunas em obras públicas inúteis para "gerar empregos"?!
Só que aqui o "trabalho inútil" gera emprego sim, mas vai repercutir-se na factura do cliente ...
E será que não haverá dentro da empresa trabalho útil para ser feito?
Gostava muito de conhecer a resposta.

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Para Reflectir...

"Se até uma estrela longínqua está ligada a ti, que devo pensar de uma paisagem vivente, na qual os veados se esquivam das árvores velhas e os animais mais  selvagens lambem seus filhotes suavemente? Que devo pensar da paisagem humana, na qual convivendo a opulência e a miséria, algumas crianças riem e outras não encontram forças para expressar seu pranto?

1. Porque se dizes: "Chegamos a outros planetas", deves declarar também: "Massacramos e escravizamos povos inteiros, superlotamos os cárceres com pessoas que pediam liberdade, mentimos desde o amanhecer até à noite... Falseamos nosso pensamento, nosso afecto, nossa acção. Atentamos contra a vida a cada passo, porque criamos sofrimento".


2. Nesta paisagem humana conheço meu caminho. Que acontecerá se nos cruzarmos em direção oposta? Eu renuncio a todo bando que proclame um ideal mais alto do que a vida e a toda a causa que, para impor-se, gere sofrimento. Por isso, antes de acusar-me por não fazer parte de facções, examina tuas mãos, que nelas não descubras o sangue dos cúmplices. Se creres que é valente comprometer-se com aquelas, que dirás desse a quem todos os bandos assassinos acusam de não comprometer-se? Quero uma causa digna da paisagem humana: a que se compromete a superar a dor e o sofrimento...)

3. Nego todo o direito à acusação que provenha de um bando em cuja história (recente ou antiga) figure a supressão da vida.

4. Nego todo o direito à suspeita que provenha daqueles que ocultam os seus rostos suspeitos.

5. Nego todo o direito a bloquear os novos caminhos que o ser humano necessita percorrer, mesmo que se coloque como máximo argumento a urgência actual.

6. Nem mesmo o pior dos criminosos me é estranho. E se o reconheço na paisagem, reconheço-o em mim. Assim é que quero superar aquilo que em mim e em todo o homem luta para suprimir a vida. Quero superar o abismo!

 Todo o mundo a que aspiras, toda a justiça que reivindicas, todo o amor que buscas, todo ser humano que quiseres seguir ou destruir, também estão em ti. Tudo o que mudar em ti, mudará a tua orientação na paisagem em que vives. De maneira que se necessitas de algo novo, deverás superar o velho que domina em teu interior.
 E como farás isso?
 Começarás por perceber que ainda que mudes de lugar, levas contigo a tua paisagem interna."


(Transcrição de "A  PAISAGEM HUMANA" - Capítulo IV do livro A Paisagem Interna  de SILO)

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Curiosidades... do Portugal de Hoje!

Por motivo de estar involuntariamente desocupada (doença), com bastante tempo disponível, e porque tenho um familiar jovem que necessita de arranjar trabalho (1º emprego), hoje solidária, pus-me a percorrer um site muito conhecido para procura de emprego:
- IEFP- NETEMPREGO (Instituto do Emprego e Formação Profissional,que pertence ao MINISTÉRIO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL.

Surpreendeu-me este em particular, que passo a transcrever:

"Sector de Actividade da Entidade: ACTIVIDADES DE LIMPEZA GERAL EM EDIFÍCIOS
Categoria: OUTRA PROFISSÃO
Habilitações Mínimas : 9º Ano
Tipo de Carta Condução : Ligeiros
EMPREGADO PARA TAREFAS NO ARMAZÉM DE CONTROLE DE STOCKS E REPARAÇÕES
DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS DE LIMPEZA (ASPIRADORES, MONO DISCOS, ETC.). COMO SE TRATA DUMA EMPRESA DE LIMPEZA TERÁ TAMBÉM DE ESTAR DISPONÍVEL PARA EFECTUAR SERVIÇOS DE LIMPEZA NOS CLIENTES DA EMPRESA."

"Conhecimentos Específicos:  CONHECIMENTOS DE UTILIZADOR DE INFORMÁTICA (WORD E EXCELL)"
"Remuneração oferecida:  475   Euro"
"Subsídio de Refeição:  1 "

Não admira que o autor do anúncio tivesse dificuldade em qualificar a profissão, remetendo-a para "OUTRA" ...

Não me surpreende, que haja empregadores que queiram reunir num só funcionário, todas estas qualificações, pois estamos em "crise"...

O que me surpreende é que um site do governo, aceite que alguém coloque um anúncio "explorador" desta natureza, onde se  pretende um funcionário com esta "polivalência" (com conhecimentos tão específicos, como reparador de máquinas eléctricas) entre outros, tudo pelo módico salário de 475,00 Euros mensais!

E ainda, "COMO SE TRATA DUMA EMPRESA DE LIMPEZA TERÁ TAMBÉM DE ESTAR DISPONÍVEL PARA EFECTUAR SERVIÇOS DE LIMPEZA NOS CLIENTES DA EMPRESA".

Agora eu imagino se a empresa em questão, em vez de limpezas se dedicasse a cirurgias...

Se não fosse tão triste, era mesmo para rir...









sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

Futuros Marginais?!

Perto do local onde vivo, existe um viaduto com uma linha férrea, só de uma via, por onde circulam comboios suburbanos. Este viaduto atravessa duas estradas secundárias, e uma auto-estrada. Esta manhã quando seguia a pé por uma dessas estradas, reparei que por cima desse viaduto estavam duas crianças, um rapaz e uma rapariga, ele teria uns 10 a 11 anos e ela uns 12. De mochila escolar ás costas, entretinham-se a apanhar pedras da linha férrea e arremessavam-nas para baixo. Parei por instantes, pois tive receio que me atingissem, mas logo verifiquei que afinal as pedras não eram dirigidas à estrada onde eu me encontrava, mas sim para a auto-estrada, onde àquela hora (11h), circulava imenso trânsito. Fiquei parada a olhar para cima e verifiquei que não se tratava de uma " simples traquinice" própria da idade. Não! Eles entregavam-se com afinco a fazer pontaria para os carros que circulavam a alta velocidade, e ficaram ali largos minutos. Continuei o meu caminho, passando por baixo do viaduto, e já do outro lado, num ponto um pouco mais alto, fiquei a olhar para eles com o fim de dissuadi-los caso eles me vissem, o que realmente aconteceu. Olharam para mim diversas vezes, e retomaram o seu caminho, não sem ainda lançarem mais algumas pedras enquanto caminhavam. Prossegui o meu caminho, pensando no que leva 2 crianças daquela idade a "brincarem" com a segurança dos outros, pondo em risco a integridade física e até a própria vida, de pessoas ao volante dos seus carros, que já por si constitui um risco permanente! Será ignorância? Não creio. Uma criança daquela idade pode facilmente imaginar o que acontecerá se acertar num carro. E então? Será isso que lhes dá gozo? O "poder" de ser o causador anónimo dum acidente? Será que isto será tão inofensivo, como poderemos querer pensar? Traquinices de criança! Não sei, não. Basta pensarmos no já famoso "bullying" nas escolas! Ou seja, existem seres humanos que desde muito cedo revelam ter uma razoável apetência para a violência, e talvez alguns com um pouco de sorte, encontrem alguém ou algo (motivação?) que os "trave" na escalada. Outros seguirão o seu caminho, sem sequer ter oportunidade de experimentar outros sentimentos!

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

Para sonhar...

Finalmente...

Hoje, finalmente, escrevo...

Andei a praticar a "arte de escutar" outros blogues, neste "admirável mundo novo " que é a blogosfera.
Confesso que tenho uma paleta bastante ampla de interesses, e por isso vou sobrevoando e poisando aqui e ali. Por vezes comentando, quando o tema tratado me "toca" sobremaneira.
Ás vezes, dou por mim numa postura de observadora da agitação humana que me rodeia!
Acho graça a tanta convulsão! É nestes momentos que sou "atacada" por pensamentos metafísicos. Porque corre esta gente? Para onde?
Então, se possível oiço uma música clássica, daquelas que nos transportam um pouco acima da linha do horizonte, e deixo-me ficar a planar, durante um tempo...
Quando regresso, acontece que também tenho de (re)entrar na engrenagem do quotidiano e lá me ponho também eu a correr, para cumprir as tarefas da minha condição de terráquea, neste início de século de tão maus auspícios...
Mas porque viver é preciso, vou vivendo e esforçando-me por alterar algo em mim e (se possível) nos outros, no sentido da elevação do humano, não compactuando com injustiças e vilanias que infelizmente proliferam.
Quando criei o blogue pretendia fazer dele um veículo de transmissão da minha revolta sobre tudo aquilo que me oprime!
Mas hoje sinto-me apática...
Talvez para o próximo post!